É ainda preciso ser “antimanicomial”?

Mais um 18 de maio. Mais um ano de comemorações do dia da Luta Antimanicomial. Mais de 20 anos passados desde a mobilização dos trabalhadores paulistas em defesa de uma sociedade sem manicômios e com condições dignas de tratamento para a pessoa em sofrimento mental.

Uma pergunta que faço para mim, e também para você. Ainda precisamos ser “antimanicomiais”??? Se os manicômios estão em processo de extinção; se os leitos “segregadores”estão diminuindo; e o “louco” circulando mais pela cidade…

Qual deverá ser nossa luta, então?

Uma pequena provocação…

Ana Paula de Freitas

1 Comentário para "É ainda preciso ser “antimanicomial”?"

  1. Ana, ótima provocação!
    Talvez o foco possa cada vez mais passar para os manicômios virtuais, aqueles que carregamos conosco e que são preenchidos com nossos preconceitos,medos,etc…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *